Estudo para EBD. Tema: O PECADO. Estudo para a Escola dominical da Igreja do Betel Brasileiro Geisel.

O pecado

Texto: Romanos 3.23

INTRODUÇÃO

Como foi a origem do mal? Teólogos e filósofos são unânimes em afirmar que esta é uma questão muito difícil de responder. A Bíblia não relata a época em que o mal aconteceu, mas infere-se que foi antes da criação do homem e mesmo antes da criação do universo material. Em João 8.44, Jesus refere-se a Satanás (o diabo) como existindo desde “o princípio”, palavra grega (archês) que significa uma existência anterior à criação (Jo 1.1). Em Judas 6, o escritor refere-se a anjos que não guardaram o seu estado original, mas abandonaram a sua própria habitação, o céu. Portanto, o pecado não foi uma criação, mas teve a sua origem no coração de seres angelicais.

Se não sabemos como o mal se originou, não podemos contudo, negar a sua existência. O mal existe dentro de nós e ao nosso redor. Todos somos pecadores e praticamos o mal.

Este estudo tem como objetivo apresentar o ensino bíblico sobre o pecado na vida do homem.

O QUE E O PECADO?

Os teólogos de Westminster respondem; “Pecado é qualquer falta de conformidade com a lei de Deus ou qualquer transgressão dessa lei”. Na minha opinião, este é o mais completo conceito de pecado pois se baseia no vocabulário bíblico.

Todo pecado é uma iniquidade que significa “transgressão da lei de Deus!” Todo aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei( 1 Jo 3.4). Também toda iniquidade é pecado que quer dizer “injustiça”. “Toda injustiça é pecado” (1 Jo 5.17). Portanto, João nos ensina que tanto a transgressão quanto a não conformidade com a Lei de Deus são pecados. O pecado é uma oposição a Deus.

Em Romanos 3.23 lemos: “…pois todos pecaram e carecem da glória de Deus…”. Aparece a palavra “pecar” (hamartano) que significa “errar o alvo” ou “fracassar”. Indica tanto a disposição para pecado como o próprio ato de pecar.

Em Romanos 4.15, Paulo diz: “…porque a lei suscita a ira; mas onde não há lei, também não há transgressão”. O termo “transgressão” (parabasia) traz a ideia de “passar do limite”, “desviar-se”, “transgredir ou violar”.

Em Efésios 1.7: “…no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça…”, aparece a palavra “pecado” (parap-toma), com sentido de “ofensa” ou “passo em falso que induz à queda”.

Conclui-se, pois, destas passagens, que o pecado é uma exaltação da vontade humana em oposição à vontade de Deus. É uma forma deliberada e ativa de viver em oposição ao Senhor e a sua Lei.

O PECADO ORIGINAL

Chama-se “pecado original” ou “primeiro pecado” aquela atitude de nossos primeiro pais quando tiveram de escolher entre as alternativas de obedecer a Deus e permanecer no estado de santidade em que foram criados ou desobedecer a Deus, cedendo à tentação e perdendo a sua natureza santa.

Berkhof define de forma tríplice “o pecado original”: primeiro, porque é derivado da raiz original da raça humana; segundo, porque está presente na vida de todo e qualquer indivíduo, desde a hora do seu nascimento e, portanto, não pode ser considerado como resultado de imitação; e, terceiro, porque é a raiz interna de todos os pecados concretizados que corrompem a vida do homem.

A santidade original do homem não era imutável. O homem, porém tinha o livre arbítrio de continuar ou não no seu estado de santidade. Mas porque Deus permitiu que ele caísse? Nenhuma resposta nos convence plenamente. O certo é que Deus colocara à prova o homem que Ele criou (Gn 2.8-17). O objetivo da prova era a transformação da santidade mutável do homem em santidade imutável e permanente da natureza em caráter santo. Se o homem tivesse resistido, suas virtudes teriam sido fortalecidas. Alguém já disse o seguinte: No Éden o homem não podia pecar; depois da queda, o homem não pode deixar de pecar; e após a ressurreição, o homem não poderá pecar jamais.

2.1. Os Passos da Tentação. Observando a narrativa bíblica que descreve a tentação e o pecado original, Gênesis capítulo 3, detectamos os seguintes passos da tentação. Satanás, utilizando toda a sua inteligência e sagacidade, toma a iniciativa:

Falsificando a Palavra. Negou a bondade de Deus dizendo: “…É assim que Deus disse: não comereis de toda a árvore do jardim?’ (3.1).

Adulterando a Ordem. Exagerou a severidade da ordem divina: “Não comereis de toda…” (3.1).

Contradizendo a Deus. Negou a veracidade da palavra de Deus: “…É certo que não morrereis” (3.4).

Inversão de Valores. Inverteu o valor do fruto proibido: Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal (3.5).

Inversão de Consequências. Inverteu as consequências da desobediência: “certamente não morrereis”, “se vos abrirão os olhos” e “como Deus sereis”.

2.2. As consequências do Pecado. As consequências do pecado, de forma extensiva, alcançaram a serpente (maldição), a Satanás (destruição), a mulher (sujeição e dores), ao homem (tristeza e trabalho árduo) e a terra (maldição) – Gn 3.14-19.

Para o homem, a natureza dessas consequências são: a depravação total, que consiste na corrupção de sua natureza moral, que o inclina totalmente para o mal; a culpabilidade, que o torna merecedor do castigo divino; a penalidade, que consiste no castigo que será aplicado por Deus. Essa pena consiste em morte, perdição, castigo eterno e condenação (Rm 7.18,23; Ef 2.1; Rm 5.12).

Na minha visão, a mais nefasta consequência do pecado foi a sua transmissão à toda a raça humana. O que a Bíblia ensina como a “universalidade do pecado” – S1143.2; Rm 3.10,12-23; 1 Jo 1.8.

CONCLUSÃO

O pecado é um dos fenômenos mais comuns da vida humana e faz parte da experiência comum da humanidade. Todos os homens são pecadores. Não há um justo sequer. O pecado é uma disposição interior para o mal, é uma oposição voluntária do homem para com Deus.

Compatilhe esta informação:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email
WhatsApp
Telegram
Imprimir

2 comentários em “Estudo para EBD. Tema: O PECADO. Estudo para a Escola dominical da Igreja do Betel Brasileiro Geisel.”

  1. francicleide Luiz da silva

    Sou ir. francicicleide sou nava convertida mim congrego na igreja batista renovada manaim….sou de parnamirim r.n.meu esposo oja prega a palavra de Deus..ele se chama ir.paulo…adorei os estudo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *